Benefícios do pedal!

O pedal proporciona muito mais do que histórias e aventuras inesquecíveis.

Você pode até sentir algumas dores após uma pedalada, mas o seu corpo ainda sente muito mais benefícios do que desvantagens. 😉

O que acontece com o seu corpo quando você pedala:

10 min – Benefícios nas articulações

20 min – Reforço do sistema imunológico

30 min – Melhoria do sistema cardiovascular

40 min – Aumento da capacidade respiratória

Tem subida? Vá em zigue-zague

Se a subida for muito íngreme e a largura da via e o tipo de terreno permitirem, você pode optar por subir em zigue-zague.

Vai demorar mais para terminar a subida, porque a distância a percorrer vai aumentar, mas a inclinação relativa diminui, o que em subidas muito fortes pode ser vantajoso.

Só não é recomendável fazer isso em um trecho urbano, porque um carro pode aparecer de repente despencando na descida e te deixar sem tempo para sair do caminho dele.

Para não correr riscos ao pedalar nas ruas, sua trajetória deve ser previsível para os motoristas, que não devem ser pegos de surpresa.

Você sabe frear corretamente?

Durante o pedal, você sabe frear corretamente?

Para obter uma boa frenagem, é necessário estar com os pneus em dia, bons freios, boas rodas e, principalmente, manter o conjunto sempre limpo e bem regulado.

O ideal é frear sempre nas retas, para obter a maior tração possível do conjunto e nossos dedos devem estar nas pontas dos manetes, e não no meio, pois com isto temos mais força de alavanca e, portanto, menos desgaste físico.

Em termos de terreno, o ideal é sempre dar prioridade para frear em terreno mais seco e firme. Ou seja, em dias de chuva ou garoa, devemos diminuir nossa velocidade e sempre procurar antecipar as reações dos outros veículos em nosso entorno. Se estiver pedalando na terra, escolha a parte mais seca do solo, com menos vegetação e umidade. Acredite: isto pode fazer toda a diferença entre “tomar um chão” ou não!

O excesso de frenagem também pode provocar acidentes. Assim como nos veículos a motor, o ideal é trabalhar com as marchas e com a velocidade, freando o mínimo possível. Com a experiência, percebemos que cada lugar tem a sua velocidade. E, ao trabalharmos desta maneira, poupamos os componentes da bike.

 

Caminho da Luz – MG

Esta rota de 200 km passa por Minas Gerais quase na fronteira com Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Ela começa na cidade de Tombos e termina em Alto Caparaó.

As vias são, em sua maioria, de estrada de terra, e cortam distritos pequenos e muita natureza.

O trajeto todo pode ser percorrido em 4 dias com folga.

De Alto Caparaó, é possível subir até o Pico da Bandeira.

Circuito das Cascatas e Montanhas – RS

Situado numa região privilegiada tanto por suas belezas naturais quanto por sua localização, o Circuito das Cascatas e Montanhas proporciona uma experiência ímpar para o cicloturista.

Em seus 123 km de extensão, o viajante vivenciará experiências de contato com a natureza, seja através das diversas cascatas espalhadas ao longo do percurso, ou pelo ambiente predominantemente colonial, onde cultura histórica e gastronomia típica fazem de cada parada uma lembrança para se levar na memória.

Englobando os municípios de Rolante, Riozinho e São Francisco de Paula, o roteiro permite ao cicloturista uma exploração completa e tranquila de todas as atrações dessas localidades, podendo ser percorrido de dois a cinco dias, sempre com passagens pela área central das cidades, para conveniência, mas sem deixar de lado o atrativo principal: a conexão com a natureza através do esporte.

Para mais informações você pode acessar o site: http://cascatasemontanhas.com.br/

Chapada Diamantina – Bahia

Não faltam opções de lugares no Brasil para quem quer viajar sobre duas rodas.

Uma rota muito conhecida e amada pelos ciclistas é a Chapada Diamantina na Bahia.

De bicicleta, dá para conhecer os principais atrativos do Parque Nacional da Chapada Diamantina.

A região é rica em cachoeiras, grutas, cavernas e vales. O ponto de partida é a cidade baiana de Lençóis. A partir daí, são cerca de 273 km de trilhas, que podem ser percorridas de bike.

Pelo caminho, há opções de pousadas e hotéis para pernoite e os restaurantes oferecem uma saborosa comida caseira.

Vai fazer cicloturismo? Confira o que levar!

Está planejando fazer um cicloturismo, mas não sabe o que levar?

Muitas pessoas acham que para estarem preparados devem carregar tudo o que pode ser necessário durante a aventura.

Na bicicleta, a cada peso retirado já percebemos ganho de rendimento. A melhor técnica para bicicleta é levar o MÍNIMO possível!

Cada destino ou caminho impõem necessidades próprias, é claro. Outro fator igualmente importante é a força física, a necessidade de conforto e a capacidade de adaptação do cicloturista, tudo isto faz variar as necessidades e a possibilidade de satisfazer os caprichos pessoais.

Mas vamos ver uma lista do básico que podemos carregar em uma viagem:

  • 2 uniformes completos para pedalar;
  • 1 camiseta de algodão para dormir;
  • 1 calça que vira shorts de tactel;
  • 1 kit de higiene com papel higiênico;
  • 1 kit primeiros socorros;
  • 1 toalha pequena;
  • 1 chinelo;
  • 1 canivete (para lanches no caminho);
  • 1 equipamento de chuva conforme a preferência;
  • 1 casaco para quem viaja no inverno, para o verão um fleece leve (também conhecido como polar, soft ou pile) é suficiente;
  • 1 filtro solar;
  • 1 óculos escuros;
  • 1 lanterna de cabeça, pode servir para pedalar;
  • 1 jogo de ferramentas e kit de peças de reposição.

Anotou? 😉

5 dicas para pedalar à noite

 

Pedalar à noite é uma ótima saída para quem deseja fugir do calor intenso dos dias de verão, ou até mesmo para quem não tem outro horário disponível. Embora esse tipo de pedal seja empolgante, é essencial que você tome alguns cuidados em relação à sua segurança!

Por isso separamos aqui 5 dicas para você considerar na hora de fazer o seu pedal noturno! Confira:

1 – Melhore a sua sinalização;

2 – Melhore a iluminação da sua bicicleta;

3 – Planeje o seu trajeto antecipadamente;

4 – Prefira pedalar em grupo;

5 – Use óculos especiais [com lentes âmbar antiofuscantes].

Fonte: https://goo.gl/Z6ZJa9

Pedal na chuva?

Às vezes você pode ser pego de surpresa no meio do pedal por AQUELA chuva. Ou você pode querer pedalar mesmo em um dia chuvoso, porque sabemos que para os amantes das bikes não tem tempo ruim. Independente da situação é sempre bom tomar alguns cuidados, acompanhe a nossa série de dicas para um pedal seguro em dias de chuva:

1 – Cuidado com as curvas:
Fazer curvas na chuva pode ser perigoso. Coloque o seu peso o máximo possível para o lado de fora de curva. Use seu corpo para manter a bike mais vertical durante a curva. Se você a deitar na curva, a chance de ela perder a aderência é maior. Mas se fizer corretamente, vai contrabalancear as forças que tendem a escorregar a bike.

2 – Lentes Limpas: Em condições de pouca luz, lentes amarelas ou transparentes são muito importantes (desde que contenham a adequada proteção para os olhos). Quando estiver pilotando na chuva, óculos solares normais (escuros) reduzem muito a luz que atinge os olhos,podendo dificultar a detecção de obstáculos. Se você continua com problemas para ver o que está na sua frente, uma aba no capacete pode evitar que uma porção de chuva e spray de água vindos da estrada atinjam seus óculos. Usar óculos que evitem que as lentes embacem é de muita ajuda.

3 – Ilumine: Deixe que todos saibam que você está por aí. Chuva forte e o brilho dos faróis de carros reduzem a visão dos motoristas, então é uma boa ideia pedalar com LEDs brilhantes no guidão e no canote de selim. Seja visto. LEDs não custam caro e trabalham muito bem. Um bom sistema recarregável é também muito útil para pedalar de manhã cedo. Se você optar por um único LED, opte por um LED traseiro no canote de selim.

Santiago Compostela – Espanha

Esse é um roteiro que com certeza está na lista de lugares para pedalar de muitos ciclistas.

Para fazer pedaladas neste local requer muito estudo a respeito.

É importante que você procure pontos de vista distintos, busque informações do local, enfim procure meios que façam você ter um conhecimento maior das rotas de Santiago da Compostela para que você possa aproveitar da melhor forma possível os percursos que esse belo lugar tem a oferecer.